como tomar decisões

5 dicas de como tomar decisões melhores em 2019

A economia tradicional faz um excelente trabalho explicando a tomada de decisão humana em situações em que as pessoas têm todos os fatos e pensam logicamente. No entanto, em nossas vidas cotidianas, muitas vezes não temos informações completas e as decisões podem ter um impacto emocional também.

 

Lidar com essas decisões diárias incertas e arriscadas muitas vezes pode levar a um desvio, exigir regulamentação emocional e pode resultar na formação de hábitos ruins. Para ajudar a explicar essas escolhas sob incerteza e risco, a disciplina da economia comportamental explora teorias e pesquisas de vários domínios dentro da psicologia.

 

Juntos, eles oferecem alguns insights exclusivos sobre como podemos tomar melhores decisões cotidianas (e “cutucar” as escolhas de outras pessoas também). Para começar a entender e aplicar esses insights, devemos começar com a premissa básica de que nem sempre pensamos sobre nossas escolhas e decisões da mesma maneira.

 

Às vezes, podemos pensar em coisas de maneira mais rápida e automática. Em outras ocasiões, podemos considerar as coisas mais devagar e deliberadamente. Por sua vez, cada uma dessas maneiras de fazer escolhas têm seus próprios prós e contras.

 

Como tomar decisões rápidas e devagar

 

Em seu livro Pensando, Rápido e Lento, o economista comportamental Daniel Kahneman discute detalhadamente esses pontos de pensamento mais refinados. Especificamente, ele usa a estrutura de dois “sistemas” de cognição.

 

Particularmente, ele observa que, embora o pensamento do Sistema 1 possa ser rápido e sem esforço, muitas vezes ele chega a conclusões erradas, depende de intuições e vieses e pode ser excessivamente confiante.

 

Em contraste, o pensamento do Sistema 2 é geralmente mais equilibrado, adquirindo maior informação e usando regras de decisão mais confiáveis, mas requer atenção e esforço (o que geralmente é limitado). Tomados em conjunto, então, aproveitar ao máximo nossa capacidade de tomar decisões é frequentemente equilibrar e administrar quando estamos pensando rápido versus quando estamos pensando devagar.

 

Algumas dicas gerais podem ajudar a melhorar sua tomada de decisão para que o próximo ano leve a caminhos mais proveitosos.

 

1. Descanse ou durma antes da decisão

 

Quando você tem que tomar uma decisão grande e importante, pode ser melhor fazê-lo quando estiver descansado, focado e motivado. De acordo com Kahneman (2011), o pensamento complexo e esforçado (sistema 2) requer atenção, motivação e autocontrole. Todos esses recursos são mais limitados e esgotados quando já estamos ocupados, estressados ??e cansados.

 

Portanto, sempre que possível, pense em decisões importantes quando estiver bem descansado, lúcido e tiver energia e motivação para dedicar-se à tarefa. Quando sua mãe lhe dizia para “dormir e decidir de manhã” provavelmente era um bom conselho.

 

2. Tome o seu tempo

 

Pensar claramente e logicamente também leva tempo. Quando estamos sob pressão de tempo e prazos curtos, o nosso pensamento rápido (sistema 1) assume o lugar. Os indivíduos são mais propensos a fazer escolhas arriscadas sob essa pressão de tempo.

 

Assim, quando estamos com pressa, chegamos a uma conclusão rápida que pode ser cheia de preconceitos e palpites, em vez de pensar cuidadosamente nos fatos e informações. Raciocínio rápido pode ser útil para decisões pequenas, habituais e cotidianas que não exigem muita deliberação ou que não envolvem muito risco. No entanto, se a decisão for mais complexa e importante, aproveite o tempo para pensar completamente.

 

3. Reúna os fatos

 

Além de ter tempo e energia para pensar com clareza, nossas decisões são tão boas quanto as informações que temos sobre nossas escolhas e opções. Podemos ponderar uma escolha por horas, mas se as informações que examinamos forem muito limitadas ou de baixa qualidade, todo esse esforço e pensamento serão muito menos eficazes.

 

No final, com decisões tão incertas, dependemos de nossos vieses e palpites para preencher as lacunas de qualquer maneira (sistema 1). Portanto, quanto mais fatos e informações mais confiáveis ??pudermos coletar e considerar sobre uma decisão, mais poderemos reduzir nossa incerteza e fazer melhores escolhas.

 

O truque é equilibrar as informações com a importância da decisão. Então, quando você está considerando algo grande e importante, alimente seus processos do sistema 2 com mais fatos para ajudá-lo a fazer uma escolha melhor.

 

4. Fique aberto a todas as possibilidades

 

Às vezes, nosso raciocínio rápido influencia a maneira como consideramos fatos, informações e opções no caminho da tomada de decisões, não apenas na decisão final. Particularmente, muitas vezes aceitamos automaticamente as coisas como “verdadeiras” antes de deliberarmos cuidadosamente sobre elas.

 

Muitas vezes podemos tirar conclusões precipitadas ou sermos tendenciosos para confirmar algo que queremos acreditar, ao invés de olhar honestamente para o que todas as informações e fatos estão realmente nos dizendo.

 

Portanto, ao tomar decisões importantes, é útil ficar aberto a todos os fatos e possibilidades (especialmente àquelas que você não quer ou não gosta). Embora seja mais desafiador e talvez desconfortável às vezes, essa mentalidade pode ajudá-lo a evitar tomar decisões que podem parecer certas no momento, mas explodir na sua cara mais tarde.

 

5. Crie regras

 

Mesmo os melhores tomadores de decisão ainda são humanos. Todos nós ficamos cansados, desmotivados, apressados, estressados ??e emocionais às vezes. Além disso, reunir todos os fatos e pensar com cuidado em todas as decisões é impossível, especialmente à medida que nos movemos no dia a dia.

 

É por isso que, quando estão pensando com clareza, os tomadores de decisão mais eficientes geralmente estabelecem regras e fórmulas simples para fazer melhores escolhas, mesmo quando são apressadas em uma data posterior.

 

Olhando para exemplos mais cotidianos, um indivíduo pode fazer uma lista de compras em casa, considerando o que realmente precisa (e cumpri-lo na loja), ao invés de ser tentado pela fome imediata.

 

A partir disso é possível estabelecer um limite superior firme para uma grande compra, considerando confortavelmente comprar o que você pode pagar (ao invés de ser arrastado por “se apaixonar” por uma casa ou carro que você luta para pagar mais tarde).

 

Em suma, mesmo em situações em que somos apanhados em pensamentos tendenciosos e emocionais, muitas vezes podemos estabelecer regras ou fórmulas antes do tempo para nos ajudar.

 

Compartilhe isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *